Notícias Notícias

29.10.2012 | admin

Risco cibernético: Defesa monta operação de guerra para formar profissionais de TIC

Por Luís Osvaldo Grossmann
Site: Convergência Digital :: 26/10/2012

Pode muito bem vir das Forças Armadas um empurrão rápido na qualificação em tecnologia da informação – cujo déficit de profissionais assusta o setor privado. É certo que a Defesa atua primeiramente para cobrir sua própria lacuna, mas vai começar a ganhar escala a transição tecnológica pelo qual passam as três forças, conforme explicitado nesta quinta-feira, 25/10, durante o 3º Seminário de Defesa Cibernética, do Ministério da Defesa.

Nacionalistas por vocação e estratégia, os militares já começaram a mover fornecedores brasileiros de equipamentos e serviços em TI – notadamente nos quase R$ 6 bilhões que o Exército investiu em um simulador de guerra cibernética, da carioca Decatron (R$ 5,1 bi) e no anti-malware (R$ 800 mil) desenvolvido pela Bluepex, de Campinas-SP. E há mais pela frente.

Mas as mudanças também chegam às escolas e cursos preparatórios. “Os cursos da Escola de Comunicações está sendo reformulado. Há novo conteúdo, com foco no planejamento e utilização de TICs e segurança da informação, atendendo as imposições do setor cibernético”, explica o comandante do Centro de Instrução de Guerra Eletrônica, tenente-coronel Marcio Souza Fava.

Imposições, inclusive, numéricas. A partir do próximo ano, o Exército dará início ao que chamou de Curso de Capacitação em Massa, realizado totalmente à distância. O norte é produzir futuros especialistas em defesa cibernética, mas não há como fugir dos conteúdos de TICs, inclusive avançados. O curso, de 250 horas, começa com um único módulo, de 90 alunos. “Mas no ano seguinte já vamos passar para 7 ou 8 módulos”, completa o tenente-coronel.

São mais de 500 especialistas por ano – dos quais a tropa pretende selecionar a nata – em apenas única iniciativa. Paralelamente segue a reformulação dos cursos tradicionais e estágios, além de acordos com universidades federais. O Exército está mais adiantado porque cabe a ele o vetor dessas mudanças – a defesa cibernética –, mas Marinha e Força Aérea também se mexem.

Na Marinha, única das três forças que não conta com um instituto tecnológico associado, também há um novo desenho nas parcerias com universidades. Segundo o contra-almirante Alípio Jorge da Silva, diretor de comunicação e TI da Marinha, os conteúdos mais relevantes são em bancos de dados, ciência da computação, criptografia e engenharia de software.

Já na FAB, a transição tem um componente adicional. A Aeronáutica possui três centros de computação – em São José dos Campos-SP, Rio de Janeiro e Brasília – mas reconhece que as novas demandas vão além das capacidades da equipe. Por isso, o plano é contratar a iniciativa privada para projetar, desenvolver, testar, validar e dar manutenção às soluções definidas internamente.

“A FAB tem grandes limitações de pessoal e a demanda de TI é imensa. Até há pouco, sistemas corporativos eram desenvolvidos in house, mas na nova orientação, serão todos contratados”, revela o brigadeiro Pedro Arthur Linhares, diretor de TI da Força Aérea. “Só não podemos usar a terceirização em segurança da informação e defesa cibernética, que serão os focos da nossa formação.”

Share:

| More

Press agent

Roberta Maia - roberta.maia@techbiz.com.br
(21) 3736-7058/ (21) 98290-4653